Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Uncategorized

A Análise Espacial na identificação de áreas de risco de arboviroses

03/11/2023
2 min de leitura
A Análise Espacial na identificação de áreas de risco de arboviroses
Junte-se a mais de 2.800 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A análise espacial é uma ferramenta essencial na compreensão e resolução de problemas complexos em diversas áreas, desde a geografia à epidemiologia. 

No entanto, quando aplicada na identificação de áreas de risco onde o Aedes aegypti atua, o mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika adquire uma relevância ainda maior. 

Por isso, a análise espacial oferece uma visão rica em informações sobre determinado espaço, permitindo compreender a distribuição geográfica de diversos fenômenos, e dessa maneira, conduzir estratégias totalmente baseadas em dados reais para a tomada de decisão. 

Com o tratamento e profilaxia do mosquito da dengue, não é diferente. A ferramenta traz uma gama de possibilidades, permitindo entender o espaço em determinada área.

Em conjunto com outras tecnologias, como inteligência da informação e geoanalytics, a análise espacial torna-se ainda mais poderosa na identificação de áreas de risco. 

Quer saber mais? Então confira o nosso post até o final e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto. 

O que é Análise Espacial?

A análise espacial, também conhecida como análise geoespacial, oferece a capacidade de explorar e compreender locais, atributos e pontos de conexão em dados relacionados à geolocalização. 

Além disso, ela permite o uso de modelos baseados na localização geográfica e se beneficia das capacidades avançadas de Sistemas de Informação Geográfica (GIS)

Sem contar que a análise espacial faz com que a gestão municipal de saúde consiga integrar dados geográficos e informações descritivas provenientes de diversas fontes. E  essa integração de dados permite criar modelos e visualizações ainda mais sofisticadas.

Como funciona?

A análise espacial segue um processo bem estruturado, que inclui várias etapas distintas. Confira!

Exploração

A fase de exploração usa dados espaciais existentes ou dispõe de técnicas de geocodificação para traduzir informações, como códigos postais e coordenadas de latitude/longitude em coordenadas geográficas específicas e projeções. 

Dessa maneira, é possível obter uma compreensão inicial do ambiente geoespacial em estudo.

Modelagem

Na etapa de modelagem, métodos de análise descritiva para calcular valores e representações são aplicados, como mapas isocrônicos, que ajudam a visualizar distâncias e tempos de viagem entre diferentes pontos. 

Além disso, entidades geográficas, como linhas e polígonos, são codificadas para criar modelos 2D e 3D, que representam objetos do mundo real.

Comparação

A fase de comparação envolve o processamento simultâneo de várias entidades espaciais, como pontos e linhas, facilitando o cálculo de sobreposições e delimitações entre elas.  Assim, novos dados geográficos são gerados, descrevendo áreas de interesse e conexões.

Como a Análise Espacial é aplicada no tratamento de áreas de risco?

A tecnologia dos drones está revolucionando a forma como enfrentamos ameaças de arboviroses, como a dengue, zika e chikungunya. 

Uma das ferramentas mais poderosas nesse combate é a análise espacial, que se desdobra em várias etapas cruciais para o sucesso da profilaxia e tratamento dessas doenças virais. 

Graças à combinação de drones de última geração com inteligência de dados e geoanalytics, essa abordagem está alcançando resultados surpreendentes. 

Drones equipados com sensores avançados, coletam informações sobre a geolocalização dos focos do mosquito transmissor, as áreas propensas à reprodução e as condições ideais para sua proliferação. 

Esse processo é essencial para identificar os pontos críticos onde as ações de controle são mais necessárias. Além disso, esses modelos avançados ajudam a determinar as áreas de alocação de larvicidas orgânicos para o combate. 

Portanto, o uso de drones com inteligência de dados e geoanalytics tende a revolucionar o tratamento e profilaxia de arboviroses. 

Ao seguir as etapas da análise espacial, eles fornecem insights valiosos, ajudando a identificar áreas de risco, planejar intervenções eficazes e até mesmo prever o comportamento dos vetores. 

A combinação de tecnologia de ponta com análise espacial está se mostrando uma arma poderosa na luta contra as arboviroses, promovendo a saúde pública e protegendo comunidades de doenças virais causadas pelo Aedes aegypti.

Por isso, ao contar com o TechDengue, a gestão de saúde pública ganha a oportunidade de trabalhar com um projeto totalmente inovador e pioneiro no mercado. Isso porque nossas soluções são 100% voltadas para o combate ao Aedes aegypti, que assola municípios inteiros e causa a morte de inúmeros cidadãos. 

Para reduzir de maneira eficiente a reprodução e proliferação do mosquito, mesclamos inteligência da informação, sensoriamento remoto (que envolve, também, o processo de análise especial) e Geoanalytics (Business Intelligence). 

Juntas, essas tecnologias têm o poder de tratar de maneira estratégica as arboviroses por meio de nossos drones, e o melhor de tudo, de maneira 100% remota.

Veja como o TechDengue funciona no vídeo abaixo:

Demonstração do TechDengue no programa Balanço Geral, em Minas Gerais

Quer saber mais? Conheça o TechDengue e conte com um projeto totalmente novo e disruptivo no tratamento e profilaxia do mosquito da dengue. 

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

One Reply to “A Análise Espacial na identificação de áreas de risco de arboviroses”

O Business Intelligence na prevenção da Dengue - Blog

[…] outras palavras, a transformação de dados em informações gera velocidade na identificação de áreas de risco e na consequente implementação de medidas para […]