Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Notícias

Combate ao mosquito Aedes aegypti em 2024: Entenda o cenário!

16/02/2024
4 min de leitura
Combate ao mosquito Aedes aegypti em 2024: Entenda o cenário!
Junte-se a mais de 2.800 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O ano de 2024 se inicia marcado por um desafio alarmante no cenário de saúde pública brasileiro: o aumento vertiginoso dos casos de dengue. Os números divulgados pelo Ministério da Saúde são preocupantes, revelando uma realidade que demanda atenção imediata e estratégias inovadoras no combate ao mosquito Aedes aegypti, vetor responsável pela propagação não apenas da dengue, mas também de outras doenças virais, como Zika e chikungunya.

Até o dia 12 de fevereiro deste ano, o Brasil já havia registrado assustadores 512 mil casos de dengue, um salto significativo em relação ao mesmo período de 2023, que contabilizou 128,8 mil notificações. Esse aumento expressivo não é apenas estatística: são vidas impactadas, comunidades em alerta e um sistema de saúde sob pressão.

Distrito Federal, Minas Gerais, Acre, Paraná, Goiás, Espírito Santo e Rio de Janeiro emergem como os epicentros da crise de saúde pública, com os índices mais elevados de incidência da doença. 

A situação é tão crítica que o Ministério da Saúde alerta para a possibilidade de o país atingir a assombrosa marca de 4,2 milhões de casos.

Neste artigo, você vai ficar por dentro de todas as atualizações em relação aos números/percentuais de casos no Brasil e em Minas. Além disso, iremos te mostrar uma alternativa inovadora, pioneira no mercado e que já está ganhando autoridade a nível nacional: estamos falando Projeto Techdengue

Continue a leitura e saiba mais!

A dengue no Brasil em 2024

O ano de 2024 revela uma face sombria da saúde pública brasileira, com os números mais recentes do Ministério da Saúde destacando uma escalada preocupante nos casos de dengue. Até o momento, o país já enfrentou um impressionante aumento de aproximadamente quatro vezes o número de casos registrados no mesmo período do ano anterior.

Os dados divulgados até 12 de fevereiro apontam para um total assustador de 512 mil casos de dengue, incluindo tanto casos confirmados quanto prováveis, estes últimos ainda em fase de investigação. 

Esse aumento exponencial não apenas sobrecarrega o sistema de saúde, mas também evidencia a urgência de medidas eficazes para o combate ao mosquito Aedes aegypti, retardando ou até mesmo erradicando a sua rápida reprodução e proliferação. 

Os estados que lideram essa triste estatística são o Distrito Federal e as regiões de Minas Gerais, Acre, Paraná, Goiás, Espírito Santo e Rio de Janeiro, cada um enfrentando um aumento significativo na incidência da doença. 

Considerada pelo Ministério da Saúde como a arbovirose urbana mais prevalente nas Américas, a dengue representa uma ameaça persistente à saúde pública, especialmente no Brasil.

As razões por trás desse aumento acentuado são diversas e complexas. O Ministério da Saúde aponta para a combinação de calor excessivo e chuvas intensas, possíveis efeitos do El Niño, como fatores que propiciam as condições ideais para a proliferação do Aedes aegypti

Além disso, o ressurgimento dos sorotipos 3 e 4 do vírus da dengue no Brasil contribuem para a rápida disseminação da doença. A projeção feita pelo Ministério da Saúde indica que o país poderá alcançar a marca assustadora de 4,2 milhões de casos se a tendência de aumento persistir. 

Essa crise de saúde pública demanda uma abordagem estratégica e inovadora para reverter esse cenário no que tange ao combate ao mosquito Aedes aegypti. 

Quase 180 mil Casos de Dengue em Minas Gerais

Minas Gerais enfrenta uma situação crítica no combate ao mosquito Aedes aegypti, com um aumento exponencial no coeficiente de incidência, saltando de 152 casos para cada 100 mil habitantes no início de fevereiro para 864,5 até o dia 14 do mesmo mês. 

O estado é o segundo com maior coeficiente de incidência, ficando atrás apenas do Distrito Federal. Dessa maneira, o governo mineiro declarou estado de emergência em janeiro, reconhecendo a epidemia de dengue que assola a região.

Segundo o boletim do Ministério da Saúde, Minas Gerais já registrou 177.552 casos prováveis da doença, liderando as estatísticas nacionais. A capital federal também vive uma situação preocupante, com um aumento significativo no indicador de incidência, passando de 350 para 2.337,4 casos para cada 100 mil habitantes.

Segundo o boletim do Ministério da Saúde, Minas Gerais já registrou 177.552 casos prováveis da doença, liderando as estatísticas nacionais. A capital federal também vive uma situação preocupante, com um aumento significativo no indicador de incidência, passando de 350 para 2.337,4 casos para cada 100 mil habitantes.

Conheça o Techdengue: A Inovação no Combate ao mosquito Aedes aegypti

Frente a esse desafio crescente, surge o Techdengue, um projeto inovador e tecnológico que representa uma verdadeira disrupção no combate às arboviroses. Consciente da persistência do Aedes aegypti em sua proliferação, o projeto incorpora tecnologias de última geração para complementar as estratégias tradicionais de combate e profilaxia. 

Equipado com drones inteligentes munidos de Geoanalytics e Business Intelligence, o Techdengue vai além da erradicação do vetor, redefinindo a forma como enfrentamos a dengue.

A solução proporciona uma abordagem ágil e eficaz, integrando dados em tempo real e análises precisas para permitir decisões informadas e estratégicas por parte das equipes de saúde.

Inclusive, o Techdengue tem entregado verdadeiros resultados aos municípios, sendo capaz de eliminar mais de 80% de criadouros do mosquito, e em alguns lugares, até 100%.

Diante disso, a ação repercutiu na mídia e o projeto Techdengue acabou ganhando um destaque no Jornal Nacional á respeito do combate ao mosquito Aedes aegypti. Confira o vídeo abaixo:

Na prática: conheça as etapas do Techdengue

O Techdengue adota uma metodologia prática e eficiente, composta por cinco etapas distintas, forjadas por extensivas pesquisas e testes. Confira:

  1. Planejamento: em colaboração estreita com as prefeituras, o Techdengue estrutura áreas de ação customizadas para cada município, promovendo estratégias específicas e personalizadas;
  2. Mapeamento: drones sobrevoam as áreas selecionadas, captando em média 200 imagens para cada hectare de voo. Essa base sólida proporciona uma visão abrangente das regiões de atuação;
  3. Análise e Identificação: o processamento das imagens, utilizando software de última geração, identifica locais potenciais de reprodução do mosquito, com uma taxa média de conversão de 10%;
  4. Tratamento: um dos diferenciais do Techdengue está na tecnologia embarcada capaz de dispersar larvicida de maneira sustentável. O uso de pastilhas orgânicas garante eficácia no controle dos mosquitos, respeitando o meio ambiente e os munícipes;
  5. Business Intelligence: tecnologia é um ponto-chave no projeto. Entregamos relatórios interativos e comentados para os gestores públicos, de modo que eles possam acompanhar a evolução dos processos, em tempo real, e além de tudo, terem a oportunidade de tomarem decisões baseadas em dados reais. 

De fato, o cenário atual da dengue não tem sido fácil para a gestão pública de saúde. Os números apenas aumentam. 

No entanto, em um momento de grande turbulência, o projeto Techdengue, atuando em parceria com os agentes e gestores públicos, otimiza o combate e profilaxia, e além de tudo, promove resultados ainda melhores no que tange à saúde da comunidade, e também da redução drástica da proliferação do vetor. 

Agora que você já sabe o que é o Techdengue e como o projeto pode contribuir com o cenário epidêmico atual, sobretudo no que tange no combate ao mosquito Aedes aegypti, entre em contato conosco. Nossos especialistas aguardam por você!

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *