Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Geotecnologia

O uso de drones no combate à dengue e seus benefícios.

26/10/2023
8 min de leitura
O uso de drones no combate à dengue e seus benefícios.
Junte-se a mais de 2.800 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Combate ao Aedes aegypti através da Tecnologia: A Revolução do Drones no Combate a Dengue

Desafio da Saúde Pública:

Introdução:

Nos últimos anos, o Brasil tem enfrentado desafios crescentes na saúde pública, especialmente no combate a doenças transmitidas por vetores. Entre essas doenças, a dengue destaca-se não apenas pela sua prevalência, mas também pelos graves impactos que causa na população.

Breve história da dengue no Brasil: A dengue, embora conhecida há séculos, intensificou sua presença no Brasil nas últimas décadas. Originária das regiões tropicais e subtropicais da Ásia, a doença se estabeleceu em território brasileiro no século XX, com os primeiros surtos registrados na década de 1980. Desde então, o país tem enfrentado ondas epidêmicas recorrentes, que alternam em intensidade e abrangência, tornando a dengue uma das principais preocupações de saúde pública nacional.

Impacto social e econômico das epidemias: Além das consequências diretas à saúde da população, as epidemias de dengue trazem consigo um alto custo social e econômico. Hospitais e postos de saúde frequentemente enfrentam superlotação durante os surtos, levando a um estresse no sistema de saúde. Economicamente, a dengue representa um fardo significativo, com custos diretos relacionados ao tratamento de pacientes e custos indiretos associados à perda de produtividade devido a afastamentos do trabalho. Além disso, regiões turísticas do Brasil, periodicamente, veem sua imagem prejudicada por surtos da doença, afetando a indústria do turismo.

A Necessidade de Inovação

O combate ao Aedes aegypti e às doenças por ele transmitidas tem sido uma luta contínua e desafiadora para os gestores de saúde pública. Embora esforços significativos tenham sido feitos ao longo dos anos, as abordagens tradicionais muitas vezes se mostraram insuficientes diante da complexidade e magnitude do problema.

As limitações das estratégias anteriores: Estratégias anteriores, como campanhas de conscientização e eliminação de criadouros, têm desempenhado um papel crucial na redução dos casos de dengue. No entanto, elas possuem limitações. A erradicação manual de criadouros é trabalhosa e nem sempre eficaz, principalmente em áreas de difícil acesso ou de grande extensão. Além disso, a dependência do engajamento comunitário, embora crucial, pode ser inconsistente. A educação e a conscientização, embora essenciais, muitas vezes enfrentam desafios de alcance e eficácia em comunidades diversas e extensas.

A urgência de novas abordagens: Com o avanço tecnológico e a crescente necessidade de soluções mais eficazes, torna-se evidente que novas abordagens são urgentemente necessárias. A integração da tecnologia, especialmente no campo das geociências e na utilização de drones, apresenta um potencial revolucionário no combate ao mosquito. Estas inovações não apenas aprimoram a eficiência das intervenções, mas também fornecem dados mais precisos e em tempo real, permitindo uma resposta mais rápida e adaptativa aos surtos. A combinação de expertise humana com ferramentas tecnológicas avançadas pode ser a chave para virar o jogo contra o Aedes aegypti.

Aedes aegypti: O Grande Adversário

Este pequeno mosquito, com suas listras brancas distintas, tornou-se um dos maiores adversários da saúde pública, não apenas no Brasil, mas em muitos países ao redor do mundo. Seu impacto, embora subestimado por muitos, é profundo e exige uma atenção constante e medidas inovadoras para seu controle.

Histórico e Impacto

A história do Aedes aegypti é intricada e demonstra sua capacidade de adaptação e propagação em diversos ambientes.

Migração e propagação do mosquito: Originário das florestas tropicais do leste da África, o Aedes aegypti migrou para outros continentes ao longo dos séculos, aproveitando-se principalmente das rotas comerciais e navios. O mosquito encontrou ambientes propícios em regiões tropicais e subtropicais, estabelecendo-se e propagando-se rapidamente. No Brasil, sua presença é documentada desde o período colonial, mas foi no século XX que o mosquito se tornou um problema de saúde pública significativo, especialmente nas áreas urbanas, devido à sua capacidade de se reproduzir em pequenas quantidades de água parada, comuns em ambientes urbanizados.

Implicações globais e nacionais: Globalmente, o Aedes aegypti é responsável pela transmissão de várias doenças, incluindo dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Estas doenças têm causado surtos recorrentes em várias partes do mundo, levando a milhares de mortes e hospitalizações todos os anos. No cenário nacional, o Brasil enfrentou algumas das maiores epidemias de dengue, com milhões de casos registrados em anos de surto. A presença constante e a capacidade de transmissão do mosquito tornaram-no um desafio contínuo para os gestores de saúde, exigindo esforços coordenados e inovações constantes para seu controle.

Doenças Associadas: O Aedes aegypti é mais do que apenas um incômodo – ele é um vetor de várias doenças virais que têm impactado gravemente populações ao redor do mundo. Compreender essas doenças e como elas são transmitidas é crucial para formular estratégias eficazes de combate.

A tríade: Dengue, Zika e Chikungunya:

A Dengue é, sem dúvida, a mais conhecida das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Com seus quatro sorotipos distintos, a dengue pode variar de sintomas leves a formas graves e potencialmente fatais, como a dengue hemorrágica.

O Zika vírus, embora com sintomas geralmente mais leves do que a dengue, ganhou destaque internacional devido à sua associação com casos de microcefalia em recém-nascidos quando mães são infectadas durante a gravidez.

A Chikungunya é caracterizada por febre e dores articulares intensas. Embora raramente resulte em morte, seus sintomas podem ser debilitantes e persistir por meses.

Mecanismos de transmissão e prevenção: Todas essas doenças são transmitidas principalmente pela picada de fêmeas infectadas do Aedes aegypti. O mosquito se infecta ao se alimentar de uma pessoa já infectada e pode transmitir o vírus para outras pessoas ao longo de sua vida.

A prevenção é focada principalmente em reduzir os mosquitos e evitar suas picadas. Isso envolve a eliminação de locais de reprodução do mosquito, como recipientes com água parada, e o uso de repelentes e mosquiteiros. Campanhas educativas desempenham um papel crucial, informando o público sobre os riscos associados e as medidas preventivas.

Os Desafios Municipais no Combate às Arboviroses

O combate às arboviroses, especialmente em um país de dimensões continentais como o Brasil, é uma tarefa multifacetada que envolve diversos desafios. Para os municípios, esses desafios são acentuados devido a questões como recursos limitados e orçamentos restritos.

Recursos Limitados e Orçamento Restrito:

Os municípios, como unidades administrativas básicas, são frequentemente os primeiros a lidar diretamente com surtos de arboviroses. No entanto, muitas vezes, eles operam com recursos limitados, tornando a tarefa ainda mais desafiadora.

A luta por financiamento adequado: Para muitos municípios, especialmente os menores ou aqueles em regiões economicamente desfavorecidas, obter financiamento adequado para programas de saúde pública é uma luta contínua. Frequentemente, os fundos são escassos e devem ser distribuídos entre várias necessidades essenciais, desde infraestrutura e educação até segurança e saúde. No cenário de combate ao Aedes aegypti, isso significa que pode haver limitações significativas no tipo e escala de intervenções que podem ser implementadas.

Alocando recursos em meio a outras prioridades municipais: Mesmo quando os recursos estão disponíveis, os gestores municipais enfrentam a difícil tarefa de alocá-los de maneira eficaz. Com tantas demandas concorrentes, decidir como e onde investir pode ser uma decisão complexa. Além disso, a natureza episódica dos surtos de dengue e outras arboviroses pode levar a uma percepção equivocada de que o problema foi “resolvido” após um período de baixa incidência, levando a uma realocação de recursos que pode deixar o município vulnerável a futuros surtos.

Educação e Conscientização Pública

Uma das armas mais poderosas no combate às arboviroses é a informação. A conscientização pública e a educação são essenciais para prevenir a propagação e mitigar os impactos dessas doenças. No entanto, promover uma compreensão adequada e incentivar práticas preventivas entre a população apresentam seus próprios conjuntos de desafios.

Combatendo mitos e desinformação: Em nossa era digital, a informação se espalha rapidamente, mas, infelizmente, o mesmo acontece com a desinformação. Muitos mitos cercam as arboviroses, desde concepções errôneas sobre suas causas até mal-entendidos sobre prevenção e tratamento. Esses mitos podem levar a práticas perigosas, complacência ou até mesmo pânico desnecessário. Para os gestores municipais, desmantelar esses mitos e garantir que a população esteja bem informada é uma tarefa contínua.

Implementando campanhas educativas eficazes: Para combater a desinformação, campanhas educativas são vitais. No entanto, para que sejam eficazes, essas campanhas devem ser bem planejadas e direcionadas. Isso significa entender o público-alvo, adaptar a mensagem para diferentes grupos demográficos e utilizar múltiplos canais de comunicação. Além disso, a mensagem deve ser clara, concisa e acompanhada de ações práticas que as pessoas possam adotar em sua vida diária. A participação comunitária, envolvendo líderes locais e organizações, pode ser crucial para ampliar o alcance e a eficácia dessas campanhas.

Monitoramento e Vigilância Epidemiológica

A capacidade de detectar, rastrear e responder rapidamente a surtos de arboviroses é fundamental para minimizar seu impacto. O monitoramento e a vigilância epidemiológica são componentes essenciais desse esforço. No entanto, a implementação eficaz desses sistemas apresenta vários desafios, especialmente em nível municipal.

Dificuldades na coleta e análise de dados: Coletar dados precisos e abrangentes é a base de qualquer sistema de vigilância epidemiológica. No entanto, muitos municípios enfrentam obstáculos significativos nesse aspecto. Isso pode incluir a falta de infraestrutura adequada para coleta de dados, dificuldades na formação e retenção de pessoal capacitado, e desafios na integração de dados de diferentes fontes. Além disso, a análise desses dados, para transformá-los em informações acionáveis, requer ferramentas e expertise especializados, que podem não estar prontamente disponíveis em todos os municípios.

Desafios na identificação precoce de surtos: Identificar um surto em seus estágios iniciais é crucial para uma resposta rápida e eficaz. No entanto, isso é mais fácil de dizer do que fazer. Os sintomas iniciais das arboviroses podem ser leves ou inespecíficos, levando a atrasos no diagnóstico. Além disso, os sistemas de relatórios podem não ser ágeis o suficiente para detectar um aumento nos casos até que o surto já esteja bem estabelecido. Para superar esses desafios, é necessário um investimento em treinamento, infraestrutura e tecnologia, bem como uma colaboração estreita entre os setores de saúde pública, laboratórios de diagnóstico e comunidade médica.

Infraestrutura e Logística

O combate efetivo ao Aedes aegypti exige uma robusta infraestrutura e uma logística bem planejada. No entanto, muitos municípios enfrentam desafios significativos nesse aspecto.

Dificuldades no acesso a áreas remotas ou densamente povoadas: Muitas vezes, os focos do mosquito estão localizados em áreas de difícil acesso, seja devido à geografia, seja devido à densidade populacional. Em áreas remotas, os desafios podem incluir estradas ruins ou inexistentes e falta de transporte adequado. Em áreas urbanas densamente povoadas, como favelas, a complexidade do terreno e a proximidade das moradias podem dificultar as intervenções.

Manutenção e gestão de equipamentos e insumos: O combate ao Aedes aegypti exige uma variedade de equipamentos e insumos, desde larvicidas até equipamentos de proteção individual para os trabalhadores de saúde. Garantir que esses materiais estejam disponíveis, em bom estado e sejam distribuídos onde são necessários, é uma tarefa logística complexa.

Integração Interdepartamental e Governamental

A eficácia das intervenções contra as arboviroses muitas vezes depende da colaboração entre diferentes departamentos e níveis de governo.

Promovendo a colaboração entre diferentes setores do governo: Muitos departamentos municipais, desde saúde e educação até planejamento urbano e serviços públicos, têm um papel a desempenhar no combate às arboviroses. Promover uma colaboração eficaz entre esses departamentos pode ser desafiador, mas é essencial para uma resposta integrada.

Estabelecendo parcerias com governos estaduais e federais: Os municípios muitas vezes precisam trabalhar em estreita colaboração com governos estaduais e federais para obter recursos, expertise e apoio logístico. Estabelecer e manter essas parcerias é crucial para uma resposta eficaz.

Adaptação às Mudanças Climáticas e Ambientais

As mudanças climáticas e ambientais estão trazendo novos desafios para o combate às arboviroses.

Enfrentando novos desafios devido às mudanças climáticas: O aumento das temperaturas, mudanças nos padrões de chuva e eventos climáticos extremos podem criar condições favoráveis para a reprodução e propagação do Aedes aegypti. Adaptar-se a essas mudanças requer monitoramento contínuo e flexibilidade nas estratégias de intervenção.

Gestão de riscos ambientais e seus impactos nas arboviroses: A degradação ambiental, como o desmatamento e a urbanização não planejada, pode criar novos habitats para o mosquito. Além disso, fatores como a poluição da água podem complicar os esforços de controle. Uma abordagem integrada que leva em consideração os impactos ambientais é essencial para o sucesso a longo prazo.

drones no combate à dengue

A Vanguarda Tecnológica no Combate ao Mosquito

Em meio aos crescentes desafios no combate ao Aedes aegypti, a tecnologia surge como um farol de esperança. Uma das inovações mais transformadoras é a utilização de drones, que estão redefinindo a maneira como abordamos a vigilância e intervenção contra este persistente vetor.

Drones: Vigilantes Aéreos

Na corrida contra o tempo para conter a disseminação de arboviroses, os drones estão emergindo como uma ferramenta inestimável, oferecendo uma combinação única de alcance, precisão e eficiência.

Avanços na tecnologia de drones: Os avanços tecnológicos dos últimos anos catapultaram os drones de simples brinquedos ou ferramentas de fotografia para poderosos aliados em missões críticas. Equipados com sensores avançados, capacidades de voo prolongado e sistemas autônomos sofisticados, os drones modernos podem realizar tarefas que antes eram consideradas impraticáveis ou altamente intensivas em termos de mão de obra. No contexto do combate ao Aedes aegypti, isso significa mapeamento detalhado de territórios, identificação precisa de áreas de risco e até mesmo dispersão direcionada de agentes controladores, tudo isso com mínima intervenção humana.

Aplicações e resultados práticos: Projetos como o TechDengue da Aero Engenharia estão na linha de frente da integração de drones em estratégias de combate a arboviroses. Usando drones, é possível identificar e tratar focos do mosquito em áreas que antes eram inacessíveis ou muito trabalhosas para serem abordadas manualmente. Isso não só aumenta a eficácia das intervenções, mas também permite uma resposta mais rápida, potencialmente contendo surtos antes que se tornem epidemias. Os drones também desempenham um papel vital na coleta de dados, fornecendo imagens aéreas e informações que alimentam sistemas de inteligência geográfica, ajudando os tomadores de decisão a planejar e implementar ações de forma mais informada.

Geotecnologias e Geointeligência

A batalha contra o Aedes aegypti e as arboviroses associadas a ele é amplamente beneficiada pela integração de geotecnologias e geointeligência. Estas ferramentas e técnicas, que se centram na coleta, análise e apresentação de dados geoespaciais, estão se mostrando fundamentais para entender, monitorar e combater eficazmente a propagação do mosquito e das doenças por ele transmitidas.

O poder do mapeamento preciso: O mapeamento é uma das ferramentas mais poderosas em qualquer estratégia de combate ao Aedes aegypti. Com tecnologias modernas, é possível criar mapas detalhados que mostram não apenas a geografia física de uma área, mas também informações vitais como a localização de focos do mosquito, áreas de risco elevado e padrões de movimento da população. Estes mapas, muitas vezes criados com a ajuda de drones e outras tecnologias de sensoriamento remoto, fornecem uma visão clara do terreno de combate, permitindo intervenções mais direcionadas e eficazes.

Decisões baseadas em dados geoespaciais: A geointeligência vai além do mapeamento para incluir a análise e interpretação de dados geoespaciais. Com o uso de sistemas de informação geográfica (SIG) avançados, os tomadores de decisão podem visualizar e analisar dados em tempo real, identificando tendências, prevendo surtos e otimizando a alocação de recursos. No contexto do projeto TechDengue, por exemplo, a geointeligência permite aos gestores públicos tomar decisões estratégicas com base em informações detalhadas e atualizadas, melhorando significativamente a eficácia das intervenções.

O uso de drones no combate à dengue e seus benefícios. - TechDengue

TechDengue: Inovação e Eficiência em Ação

O sucesso do TechDengue não é resultado de uma única intervenção, mas de uma abordagem multifacetada e estratégica. O projeto é estruturado em cinco fases distintas, cada uma delas contribuindo para um controle mais eficaz e abrangente do Aedes aegypti.

Planejamento e análise regional: Antes de qualquer intervenção, a equipe do TechDengue trabalha em estreita colaboração com gestores públicos para entender as necessidades e características específicas de cada região. Esta fase envolve uma análise detalhada dos dados existentes, identificando áreas de alto risco, padrões históricos de surtos e outros fatores-chave. Com base nessa análise, são definidas estratégias personalizadas para maximizar o impacto das intervenções subsequentes.

Mapeamento e identificação de focos: Com um plano em mãos, a fase de mapeamento começa. Utilizando drones equipados com tecnologia avançada de sensoriamento remoto, a equipe realiza um aerolevantamento georreferenciado das áreas de interesse. Este mapeamento detalhado permite identificar pontos de oportunidade e interesse (POIs) que são potenciais focos de reprodução do mosquito. As imagens e vídeos captados pelos drones são posteriormente processados para identificar e classificar esses focos, priorizando áreas para intervenção.

Tratamento remoto e resultados: A inovação central do TechDengue é a capacidade fornecer informações inteligentes e únicas, além de tratar focos de reprodução do Aedes aegypti de forma totalmente remota. Utilizando drones especialmente equipados com um dispenser e metodologia patenteada, a equipe dispersa um larvicida biológico diretamente nos locais identificados. Este método não só permite um tratamento preciso e eficaz, mas também minimiza os riscos associados a intervenções manuais em áreas potencialmente perigosas. Os resultados são monitorados e analisados, com relatórios digitais gerados para permitir que os gestores públicos acompanhem o progresso e avaliem o impacto das intervenções.

Benefícios do Combate à Distância

A abordagem do TechDengue, que se concentra no combate remoto ao Aedes aegypti, representa uma mudança paradigmática em relação aos métodos tradicionais. A capacidade de identificar, monitorar e intervir à distância oferece uma série de benefícios, tornando esta estratégia não apenas inovadora, mas também altamente eficaz.

Estudos que suportam a eficácia da abordagem: Diversos estudos têm demonstrado a eficácia do uso de drones e outras tecnologias remotas no combate a vetores e pragas. No caso do TechDengue, os dados coletados desde o início do projeto mostram uma redução significativa na prevalência de focos do mosquito nas áreas tratadas. Além disso, análises independentes e revisões por pares têm corroborado a eficácia deste método, destacando-o como uma das abordagens mais promissoras no campo da saúde pública moderna.

Comparativo com métodos convencionais: Os métodos convencionais de combate ao Aedes aegypti, como inspeções manuais, fumacê e educação comunitária, têm suas próprias vantagens, mas também vêm com limitações significativas. Estas abordagens frequentemente exigem uma grande quantidade de mão de obra, são mais intrusivas para as comunidades e podem ser menos precisas em termos de identificação e tratamento de focos.

Em contraste, a abordagem remota adotada pelo TechDengue permite uma cobertura mais ampla em um curto espaço de tempo, com uma precisão sem precedentes. A capacidade de tratar áreas de difícil acesso, como telhados, terrenos baldios e outros locais elevados, sem a necessidade de entrar fisicamente nos locais, representa um avanço significativo. Além disso, a coleta de dados em tempo real e o feedback imediato permitem ajustes rápidos e otimização contínua da estratégia de intervenção.

Resultados Tangíveis e o Futuro Promissor

O impacto do TechDengue vai além dos avanços tecnológicos e inovações. Ele se traduz em mudanças reais e tangíveis na saúde pública, com benefícios diretos para as comunidades e uma notável redução na incidência de arboviroses. À medida que o projeto continua a crescer e evoluir, o futuro parece promissor.

Mudanças na Saúde Pública

A integração de geotecnologias, sensoriamento remoto e análise de dados no combate ao Aedes aegypti representa uma evolução significativa na maneira como abordamos a saúde pública.

Benefícios diretos para as comunidades: As comunidades que se beneficiaram das intervenções do TechDengue experimentaram uma melhoria palpável na qualidade de vida. A redução nos focos do mosquito significa menos riscos de infecção, o que por sua vez se traduz em menos dias de trabalho perdidos, menos gastos com tratamento médico e, acima de tudo, uma sensação ampliada de segurança e bem-estar. Além disso, a abordagem menos intrusiva do combate remoto respeita a privacidade dos residentes e minimiza as perturbações diárias.

Redução nos números de casos e epidemias: Os dados coletados desde o início do projeto TechDengue mostram uma tendência clara de redução nos números de casos de arboviroses nas áreas de intervenção. Ao identificar e tratar focos com precisão, o projeto tem sido capaz de interromper o ciclo de reprodução do mosquito, levando a uma diminuição notável na transmissão das doenças. Isso não só alivia o fardo sobre os sistemas de saúde locais, mas também ajuda a prevenir epidemias em larga escala, protegendo comunidades inteiras.

Inovações Futuras e Sustentabilidade

A trajetória do TechDengue até agora é um testemunho do poder da inovação e da colaboração. No entanto, em um mundo em constante evolução, a estagnação não é uma opção. À medida que novos desafios surgem, a equipe por trás do projeto está sempre buscando maneiras de adaptar, melhorar e expandir suas operações, garantindo um combate mais eficaz ao Aedes aegypti e um futuro mais saudável para todos.

Próximos passos e melhorias no TechDengue: A natureza dinâmica do TechDengue significa que a inovação é uma constante. A equipe está atualmente explorando a integração de inteligência artificial e aprendizado de máquina para melhorar a precisão na identificação de focos do mosquito. Além disso, há planos em andamento para desenvolver drones com capacidades ampliadas, incluindo maior autonomia de voo e capacidade de carga, permitindo cobrir áreas maiores e dispersar agentes controladores de forma mais eficiente. Outra área de foco é a melhoria da interface do usuário e a capacidade de análise dos sistemas de informação geográfica, tornando-os mais acessíveis e úteis para os gestores públicos.

Investimentos e planos para expansão: O sucesso do TechDengue atraiu a atenção de investidores e parceiros interessados em levar o projeto a novas alturas. Com o apoio financeiro e técnico adicional, há planos ambiciosos para expandir as operações para outras regiões do Brasil e, eventualmente, para outros países afetados pelo Aedes aegypti. Além disso, parte dos investimentos será direcionada para pesquisa e desenvolvimento, garantindo que o TechDengue permaneça na vanguarda das soluções de combate ao mosquito.

Onde o TechDengue Já Foi Destaque:

Conclusão sobre o uso de drones no combate à dengue:

Em nossa jornada para compreender o combate ao Aedes aegypti, torna-se evidente que estamos em um momento transformador. A interseção da tecnologia com a saúde pública está redefinindo como enfrentamos antigos adversários e como garantimos um futuro mais seguro e saudável para as gerações vindouras.

A Interseção da Tecnologia e Saúde Pública: A fusão de inovações tecnológicas com estratégias de saúde pública está criando novas oportunidades e abrindo caminhos inexplorados. Projetos como o TechDengue são exemplos vivos de como essa interseção pode resultar em soluções poderosas para desafios aparentemente insuperáveis.

Balanço dos avanços e desafios: O progresso alcançado até agora é notável. Por meio do uso de drones, geointeligência e outras tecnologias, conseguimos identificar, monitorar e tratar focos do Aedes aegypti com uma eficiência sem precedentes. No entanto, os desafios persistem. Mudanças climáticas, urbanização descontrolada e resistência do mosquito a tratamentos convencionais são apenas algumas das barreiras que ainda enfrentamos. Porém, com a combinação certa de inovação, colaboração e determinação, esses desafios são superáveis.

Perspectivas e aspirações para o futuro: O futuro é repleto de possibilidades. Com o contínuo investimento em pesquisa e desenvolvimento, a incorporação de novas tecnologias e a expansão de projetos inovadores, a perspectiva é promissora. O TechDengue, junto com outras iniciativas similares, está pavimentando o caminho para um mundo onde a dengue e outras arboviroses se tornem males do passado. Nossa aspiração é que, ao unirmos forças e aproveitarmos o poder da tecnologia, possamos garantir um ambiente mais saudável e seguro para todos.

Nossa visão é de um mundo onde a saúde pública e a tecnologia caminham lado a lado, trabalhando harmoniosamente para garantir um ambiente saudável para todos. Cada passo que damos nessa direção é um passo em direção a um futuro mais tecnológico e seguro.

Olá,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 Replies to “O uso de drones no combate à dengue e seus benefícios.”

Dengue Contagem: TechDengue é apresentado na Câmara - Blog

[…] Geotecnologia […]

Combate á Dengue: Confira 3 estratégias eficientes - Blog

[…] Geotecnologia […]

Sensoriamento remoto: Vantagens para a Sáude Pública - Blog

[…] Geotecnologia […]

A Análise de dados epidemiológicos no combate á arboviroses

[…] tecnologia de ponta e análise de dados epidemiológicos têm se mostrado uma arma poderosa na luta contra as arboviroses. Uma das inovações mais promissoras nesse campo é o uso de drones dotados de inteligência da […]

Tratamento e Profilaxia com drones ao Aedes aegypti! - Blog

[…] prática em relação ao tratamento e profilaxia com drones. A fase ocorre com o sobrevoo de drones sobre as áreas selecionadas durante o […]