Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

O que é : Ação de repelentes contra transmissores de Arboviroses

10/10/2023
Junte-se a mais de 2.800 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O que é: Ação de repelentes contra transmissores de Arboviroses

A ação de repelentes contra transmissores de Arboviroses é uma medida preventiva importante para evitar a transmissão de doenças causadas por arbovírus, como a dengue, zika e chikungunya. Os repelentes são produtos que, quando aplicados na pele, têm a capacidade de afastar os mosquitos transmissores dessas doenças, reduzindo assim o risco de picadas e infecções.

Princípios

Os repelentes atuam através de princípios ativos que são capazes de repelir os insetos. Os mais comuns são o DEET (N,N-Dietil-meta-toluamida), a icaridina e o IR3535. Essas substâncias interferem nos receptores sensoriais dos mosquitos, tornando a pele menos atraente para eles. Além disso, alguns repelentes também possuem propriedades repelentes de carrapatos e moscas.

Fatores históricos

A utilização de repelentes remonta à antiguidade, quando as pessoas já buscavam formas de se proteger das picadas de insetos. No entanto, foi somente no século XX que os repelentes modernos começaram a ser desenvolvidos e comercializados. Desde então, a evolução tecnológica permitiu a criação de produtos mais eficazes e seguros.

Aplicações

Os repelentes podem ser aplicados diretamente na pele, seguindo as instruções de uso do fabricante. Além disso, existem também repelentes de ambiente, que podem ser utilizados em residências e locais de trabalho para afastar os mosquitos. Alguns exemplos de repelentes de uso tópico são o OFF! Loção, o Exposis Extreme e o Repelex Spray. Já os repelentes de ambiente incluem produtos como o SBP e o Raid Elétrico.

Importância

A ação de repelentes contra transmissores de Arboviroses é de extrema importância, pois essas doenças podem causar complicações graves, como a síndrome de Guillain-Barré e microcefalia. Além disso, as arboviroses representam um grande desafio para a saúde pública, sendo necessário adotar medidas eficazes de prevenção para controlar sua disseminação.

Benefícios

1. Proteção contra picadas de mosquitos transmissores de arbovírus;

2. Redução do risco de infecção por doenças como dengue, zika e chikungunya;

3. Prevenção de complicações graves associadas às arboviroses;

4. Melhora na qualidade de vida, evitando desconforto e coceira causados pelas picadas;

5. Contribuição para o controle e redução da incidência de arboviroses na população.

Desafios

1. Resistência dos mosquitos aos princípios ativos dos repelentes;

2. Uso inadequado ou insuficiente dos repelentes pela população;

3. Dificuldade de acesso a repelentes de qualidade em regiões mais vulneráveis.

Exemplos

Um exemplo de aplicação dos repelentes é durante viagens para áreas endêmicas de arboviroses, onde o risco de infecção é maior. Outro exemplo é o uso de repelentes por gestantes, que precisam se proteger tanto para evitar a infecção quanto para prevenir possíveis complicações para o feto.

Como funciona

Os repelentes atuam através da liberação de substâncias que afastam os mosquitos. Essas substâncias podem interferir nos receptores sensoriais dos insetos, tornando a pele menos atraente para eles. Além disso, alguns repelentes também podem mascarar o odor corporal, dificultando a localização do hospedeiro pelos mosquitos.

Para que serve

Os repelentes servem para proteger as pessoas contra as picadas de mosquitos transmissores de arbovírus, reduzindo assim o risco de infecção por doenças como dengue, zika e chikungunya. Eles são especialmente úteis em áreas onde a incidência dessas doenças é alta, bem como durante viagens para regiões endêmicas.

Tipos e modelos

Existem diferentes tipos e modelos de repelentes disponíveis no mercado. Alguns são em forma de loção, spray, creme ou gel, enquanto outros são apresentados em forma de pulseiras ou adesivos. Além disso, há repelentes específicos para crianças, gestantes e pessoas com pele sensível.

Futuro

O futuro dos repelentes contra transmissores de arboviroses promete avanços significativos. A pesquisa e o desenvolvimento de novos princípios ativos mais eficazes e seguros estão em constante evolução. Além disso, a tecnologia também pode contribuir para a criação de repelentes mais duradouros e de fácil aplicação.

Informação relevante 1

É importante ressaltar que, apesar da eficácia dos repelentes, eles não devem ser a única medida de prevenção adotada. Medidas como o uso de roupas adequadas, telas de proteção nas janelas e eliminação de criadouros de mosquitos também são fundamentais para evitar a proliferação das arboviroses.

Informação relevante 2

Além disso, é essencial seguir as instruções de uso dos repelentes, aplicando-os corretamente e respeitando a frequência de reaplicação recomendada. Também é importante evitar o uso de repelentes em áreas irritadas ou lesionadas da pele.

Resumo

A ação de repelentes contra transmissores de Arboviroses é uma medida preventiva importante para evitar a transmissão de doenças causadas por arbovírus. Os repelentes atuam através de princípios ativos que repelem os mosquitos, reduzindo o risco de picadas e infecções. Eles são aplicados diretamente na pele e também podem ser utilizados em ambientes. A utilização de repelentes remonta à antiguidade, mas foi no século XX que os repelentes modernos começaram a ser desenvolvidos. A ação de repelentes é importante para prevenir complicações graves associadas às arboviroses e contribuir para o controle dessas doenças. Além disso, os repelentes oferecem benefícios como proteção contra picadas, redução do risco de infecção, prevenção de complicações, melhora na qualidade de vida e contribuição para o controle das arboviroses. No entanto, existem desafios como a resistência dos mosquitos aos princípios ativos, o uso inadequado e a dificuldade de acesso a repelentes de qualidade. O futuro dos repelentes promete avanços significativos, com o desenvolvimento de novos princípios ativos e tecnologias mais eficazes. É importante lembrar que os repelentes devem ser utilizados em conjunto com outras medidas de prevenção e seguindo as instruções de uso adequadas.